domingo, julho 22, 2007

A difícil paz

O enésimo relançamento do processo de paz para o Médio Oriente passou há dias pelo CCB, Centro Comendador Berardo, mediado por um «quarteto» que procura lograr o que tercetos, duetos e solistas anteriormente não conseguiram. Mas o que surpreende e é curioso é que, para se promover a paz, se tivesse posto Lisboa em pé de guerra: caças F16 de prevenção, navios da Marinha estacionados no Tejo, elementos dos GOE posicionados em telhados, um helicóptero da Força Aérea em trânsito, cães treinados, veículos blindados, mobilização de centenas de elementos do Corpo de Intervenção, das Brigadas de Intervenção Rápida, do Centro de Inactivação de Explosivos e Segurança em Subsolo, ruas cortadas, locais de estacionamento vedados e acessos a hoteis interditos ao tráfego...
Por este andar, não admira que, daqui a dez anos, seja um «quinteto» a mediar a procura de uma (im)possível solução pacífica para o conflito israelo-palestino; e, para simplificar estratégias de segurança, mais fácil será encerrar os negociadores... num «bunker»!

3 Comments:

Blogger antonio said...

Tudo isto é espectáculo! E depois serviu de exercício às nossas forças. Bolas, não sabia que estávamos assim tão bem preparados!

Depois, as eleições presidenciais americanas começam a marcar a agenda: ninguém acredita que desta vez vai ser diferente.

Bem agora, temos o recém convertido (tu bem sabes a quê) Blair a procurar reconciliar-se com a história... se calhar futuro prémio Nobel da Paz. Vai uma apostinha?

10:23 da tarde  
Anonymous Sem Quórum said...

Ai António, que falta de profundidade de análise a tua; tens de começar a saber ler nas entrelinhas:
1) Blair tem as mãos sujas de sangue pelo que acontece no Iraque desde 2003 e, se justiça houvesse, esse grande aldrabão sem vergonha, acolitado cobardemente na sombra de Bush, seria tb condenado à morte como Saddam. Tão mau político é que, qual Durão Barroso, até abandonou o barco no Reino Unido... Se se converte à IC não me surpreende; pelo contrário, é o corolário lógico do seu percurso, juntando-se a uma instituição igualmente criminosa e ciosa de influência, poder e dinheiro. (Penso que a sua ridícula esposa é católica, daí que...)
2) Se for o futuro Prémio Nobel da Paz lamento, mas tb aqui a desordem mundial não me espantaria: o nosso Egas Moniz foi Nobel por uma actividade que hoje é condenável e pela qual um médico seria preso!
António: não te refugies em argumentos de autoridade; pensa por ti e busca uma coerência lógica entre os princípios que possas defender. Eu tb gosto de provocar, mas sustentando a provocação em bases intelectuais sólidas. :)

11:25 da tarde  
Blogger morffina said...

O Blair comeu uma cereja podre (não de boa), a sua Cherrie. Daí os seus problemas de "diarreia" ...

5:07 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home