segunda-feira, maio 08, 2006

O dialéctico exercício do contraditório / 1 - 1ª Parte

Caro Micróbio em segunda geração (Carlos Glaziou):
Tive o grato prazer de te conhecer num recente encontro de bloggers, em Seia, em que ambos participámos, e na conversa que tivemos ao serão, sobre religião, ficou claro que esta é uma matéria sobre a qual temos profundas divergências. Li com atenção o teu recente post "A moda da religião" e constatei que o teu fervor religioso te leva, curiosa e paradoxalmente, a censurar aquilo que defendes. Com a abertura de espírito e a tolerância que caracterizam os nossos debates privados via mail, e no horizonte da nossa jovem amizade, venho deste modo contra-argumentar e confrontar o meu ateísmo com o teu teísmo católico. Aliás, é a primeira vez que me dirijo epistolarmente a alguém desde que, há três meses, fundei a presente modesta página da blogosfera.
1. Ao contrário do que inicialmente afirmas, a «literatura da religião-ficção» não é uma moda, a não ser que as modas durem mais de três décadas seguidas (mas então já temos uma conjuntura ou tradição). Essa heresia livresca é uma prática de décadas, embora agora tenha talvez mais visibilidade: há mais editoras de livros e mais produção literária; há mais leitores (e mais hipermercados!); e uma maior divulgação cultural, graças ao aumento do mercado mediático. O sucesso do fenómeno Dan Brown apenas se limitou a trazer para a ribalta esse género de literatura; Nikos Katzantzakis, Salman Rushdie, Taslima Nasrin, Roger Peyrefitte ou José Saramago, são apenas alguns outros exemplos de uma «moda» que vem de longe e parece não acabar. Na literatura como no cinema... E ainda bem, pois a crença num Sagrado não deixa de suscitar apreensão e questionamento, evidenciando a vitalidade do debate religioso.
2. Utilizas uma forma de inferência válida conhecida na Lógica proposicional por "modus ponens", mas não extrais dela todas as consequências: afirmas que, primeira premissa, «tudo é moda»; segunda premissa (subentendida), «a literatura da religião-ficção é moda»; terceira premissa, «o que é moda passa»; concluis, portanto, que «a literatura da religião-ficção passará». A conclusão é necessária, mas parte de premissas disputáveis... Por outro lado, o "tudo" nada exclui, pois a totalidade para que remete inclui necessariamente a multiplicidade das partes, sem excepção, entre as quais a fé. Logo, e por força lógica do mesmo "modus ponens", a tua fé católica, como a literatura que criticas, também não resistirá à metamórfica dissolução na voragem de Cronos. Simples inferência lógica!
3. De modo contundente e incisivo, asseveras implacavelmente que "O código da Vinci" é «um livro que deturpa o sentido religioso autêntico [não sei o que isto seja ou se existe!] de muitos outros, é uma zurrapa de garrafão» (olha que há boas colheitas vínicas armazenadas aos cinco litros!). Não li esse famoso livro, por isso não sei se tens razão ou não, mas, meu caro micróbio egitaniense, a própria Bíblia é um livro que deturpa factos e «o sentido religioso autêntico» das próprias figuras que idolatra, operada por misteriosos redactores bíblicos e por acrescentos posteriores a estes. Por exemplo, confronte-se os livros de Isaías com os de Mateus, os Evangelhos sinópticos neotestamentários entre si, ou estes com as epístolas do sinistro Paulo... A «zurrapa de garrafão» acaba até por ser de qualidade, pois, ao menos, "O código da Vinci" deve ter a vantagem de ser uma história congruente e bem contada!
4. Dizeres que proclamar a morte da religião e promover um «laicismo galopante» é «quase o mesmo», é um subterfúgio retórico que, isso sim, fomenta o desconhecimento dos argumentos concretos e subestima (não inocentemente) o necessário enquadramento heurístico em que a ateísta proclamação se fez. É que proselitismo e filosofia não são, em rigor, «quase o mesmo». Portanto, e ao invés do que afirmaste, é imperioso dar detalhes e fazê-lo não é excessivo nesta circunstância argumentativa.
5. Escrever livros sobre assuntos religiosos, «que vendem aos milhões» (como a Bíblia!), não é proibido nem contraria a ideia freudiana segundo a qual a religião terá «o destino de uma ilusão». Freud não impede Dan Brown de escrever, mesmo que este seja adepto do pai da terapia do divã; ninguém escreve só sobre temas em que acredita. Por outro lado, ousar fazer um exercício heterodoxo de hermenêutica de dogmas religiosos, mormente católicos, não significa que se está a criar a seu gosto uma qualquer religião «prêt-a-porter» ou não - estás a ser excessivo! O "corpus" constituído das crenças católicas é já fruto do capricho de uns poucos "iluminados por Deus" (talvez uma fonte energética alternativa), de que Ireneu de Lyon foi apenas um dos testas de ferro (para não usar adjectivos depreciativos); com a particularidade de ser também um «"puzzle"» suspeito que, a julgar pelo número de crentes, impedirá Dan Brown ou outro, de vender mais! [Acharás porventura que, entre os leitores do sacrílego livro do americano, não se contam aos milhares o número de católicos?]
Voltarei brevemente à discussão... Um abraço!

Etiquetas:

3 Comments:

Blogger O Micróbio II said...

António, só tenho de ficar babado pelo facto de um post do Micróbio ter direito a resposta num dos blogs de maior qualidade que neste momento pulula por esta blogosfera. Quanto ao conteúdo e para não monopolizar a discussão, limito-me a agradecer a publicidade!... Um grande abraço

9:54 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Your are Nice. And so is your site! Maybe you need some more pictures. Will return in the near future.
»

12:48 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

I find some information here.

9:46 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home